Novidades

Termografia na fibromialgia

27/11/2021 | Categoria: Artigos, Termografia

Termografia: um auxílio para o diagnóstico de Fibromialgia?

Estudo por Kurt Ammer. Artigo disponível neste link.

OBJETIVO

Foi realizada uma revisão retrospectiva de prontuários para analisar o número de pontos quentes em pacientes diagnosticados com fibromialgia, de acordo com os critérios do American College of Rheumatology. Os resultados foram comparados com os de um grupo de indivíduos saudáveis ​​e também de um grupo de pacientes que experimentaram dor generalizada, mas que não atenderam ao critério diagnóstico de onze ou mais pontos sensíveis.

MÉTODO

Termogramas das regiões em que os pontos dolorosos estão tipicamente localizados foram realizados após aclimatação por 15 minutos a uma temperatura ambiente de 24 °C. Pontos quentes foram definidos como qualquer área pequena pelo menos 0,5 °C mais quente que a vizinhança. Após o exame termográfico, os locais típicos de sensibilidade foram testados.

RESULTADOS

Um total de 312 indivíduos foram incluídos no estudo. 204 pacientes sofriam de fibromialgia e 87 pacientes com dor generalizada não apresentaram uma contagem suficiente de pontos dolorosos e, portanto, foram diagnosticados como mialgia localizada. 21 indivíduos saudáveis. 20 mulheres e 1 homem serviram como controle. A contagem de pontos sensíveis (intervalo de confiança de 95%) diferiu significativamente entre os três grupos (fibromialgia: 14,5 a 15,2; mialgia localizada: 6,3 a 7,5; controles: 0,4 a 1,4) e também a frequência de pontos quentes foi significativamente diferente (fibromialgia: 9,2 a 9,8, mialgia localizada: 6,5 a 7,6, controles: 3,0 a 4,7). Um total de 5616 locais foi avaliado quanto à coincidência de pontos quentes com sensibilidade, resultando em uma taxa de 35,02% para positivos verdadeiros (ponto quente igual ao local sensível) e 23,24 para negativos verdadeiros (ponto quente não igual ao local não sensível). A sensibilidade dos pontos quentes em 18 locais foi de 53,91%, a especificidade foi de 66,34%, valor preditivo positivo 74,82% e valor preditivo negativo 43,69%. A exclusão das áreas do joelho resultou em aumento da sensibilidade para 58,15% e diminuição na especificidade para 60,88%. O cálculo da sensibilidade com base em 12 locais (após exclusão do músculo supraespinhal, junção costosterna e joelho medial) obteve uma sensibilidade de 65,40% e especificidade de 56,46%, mas os valores preditivos mudaram apenas ligeiramente.

CONCLUSÃO

A contagem de pontos quentes é mais um procedimento diagnóstico do que sensível em pacientes com fibromialgia. Um número alto de pontos quentes no termograma do corpo total pode ajudar no diagnóstico da fibromialgia, mas não pode substituir a palpação dos pontos sensíveis. 82% e valor preditivo negativo 43,69%. A exclusão das áreas do joelho resultou em aumento da sensibilidade para 58,15% e diminuição na especificidade para 60,88%. O cálculo da sensibilidade com base em 12 locais (após exclusão do músculo supraespinhal, junção costosterna e joelho medial) obteve uma sensibilidade de 65,40% e especificidade de 56,46%, mas os valores preditivos mudaram apenas ligeiramente.

Leia o artigo completo através do link.

Veja também

24set

Triagem térmica no centro de medicina integrativa

O Centro de Medicina Integrativa, cliente da Poliscan Brasil em Brasília, é mais uma clínica que toma os devidos cuidados para […]

Leia +
02maio

Por que aderir à termografia?

Aderir à termografia significa promover mais tecnologia à favor da saúde e do bem-estar dos pacientes. Por isso, a termografia é […]

Leia +
23ago

Diferenças entre paletas de cores nas câmeras FLIR de termografia

São diversas paletas de cores à sua disposição nas câmeras FLIR, oferecidas pela Poliscan. Cada uma delas é mais indicada a […]

Leia +