Novidades

Distinção entre níveis de desempenho do atleta por termografia

24/12/2021 | Categoria: Artigos, Termografia

Utilidade no desenvolvimento de um programa de treinamento ideal e distinção entre os níveis de desempenho do corpo do atleta por meio de imagens térmicas

Estudo por Teresa Kasprzyk-Kucewicz, Agnieszka Szurko, Agata Stanek, Karolina Sieroń, Tadeusz Morawiec e Armand Cholewka. Artigo disponível neste link.

RESUMO

O objetivo do treinamento é permitir que o corpo execute esforço físico prolongado sem reduzir sua eficácia, mantendo a homeostase do corpo. A homeostase é a capacidade do sistema de manter, em equilíbrio dinâmico, a estabilidade do ambiente interno.

Tão importante quanto monitorar os fenômenos de termorregulação do corpo durante o exercício parece ser a avaliação desses mecanismos após o esforço físico, quando o corpo do atleta retorna à homeostase fisiológica. Restaurar a homeostase é um fator importante na regeneração do corpo e tem um impacto significativo na prevenção do supertreinamento. Neste trabalho apresentamos um protocolo de treinamento com remo ergômetro, que foi planejado para ser realizado em um curto espaço de tempo e que envolve trabalhar a maioria dos músculos do atleta, permitindo uma avaliação completa dos parâmetros térmicos do corpo após a interrupção do exercício e durante o retorno do corpo ao equilíbrio térmico e homeostase.

Figura 1 – Áreas de interesse usadas para calcular a temperatura média da superfície corporal para um atleta representativo.

Figura 2 – Imagens térmicas de partes do corpo do voluntário de ciclismo antes e após 1 ano de treinamento profissional realizado antes (a), imediatamente após (b) e após 10 (c), 20 (d), 30 (e), 40 (f), e 50 min (g) de treinamento.

Foram obtidas as diferenças significativas entre a temperatura média normalizada da superfície corporal obtida para o ciclista antes do período de treinamento e grupo de força, bem como antes e 10 minutos após o treinamento. Tal observação parece trazer indiretamente algumas informações sobre a eficiência do esportista devido às diferenças na temperatura corporal nos primeiros 10 min de treinamento, quando o suor não desempenha um papel importante na temperatura da superfície. Uma queda de quase 1 ° C na temperatura corporal média foi medida devido ao período de treinamento.

Conclui-se que a termografia não só permite monitorar as mudanças na temperatura corporal devido à atividade esportiva, mas também permite determinar qual dos atletas apresenta um alto nível de eficiência corporal. A temperatura corporal máxima média de tal atleta é mais alta (32,5 ° C) do que a de um atleta que não treina regularmente (30,9 ° C) e cujo corpo provavelmente requer mais treinamento.

Leia o artigo completo através do link.

Veja também

29ago

A Termografia é um dos segredos do Flamengo

Uma matéria no Globo Esporte hoje destacou a alta eficiência do departamento médico do Flamengo, com a alta velocidade de recuperação […]

Leia +
01ago

Termografia e ingurgitamento mamário

Estudo por Anita Batista dos Santos Heberle, Sandra Marisa Pelloso, Percy Nohama. Artigo disponível neste link. Iniciou-se o mês do aleitamento […]

Leia +
29jan

Esteatose hepática e tratamento BEMER

SAIBA COMO A TERAPIA FÍSICA VASCULAR PODE TE AJUDAR Já apresentamos a ação poderosa do tratamento vascular Bemer na microvascularização, uma […]

Leia +